Actualizado: 16/03/01

 

 

O RESPEITO DA MUSICALIDADE

Autor: UGIA PEDREIRA
Fonte: Radio Raahim Sound System. número 02. Xuño Compostela 2002
Notas: -

 

O artista da natureza Hundertwasser, defendia que o homem e a mulher tenhem três peles: a pele do corpo, do vestido e da casa. A pintura como a música fazem parte das três peles, som elementos imprescindíveis para a saúde e a melhora da qualidade de vida.

Na casa a música é a nossa escolha pessoal e momentánea, ainda que depois escuitamo-la no carro, nas salas de espera, nos pubs, nos atendedores de chamadas, nas lojas de roupa, na estaçom do comboios á 7 da manhá, no metro,ás vezes torna-se um prazer e em muitos casos converte-se numa imposióm como os cánticos de Natal nos altifalantes das ruas galegas.

Com a música normalmente eu desfruto, recreio-me na estrutura duma cançom, na sua instrumentaçom, na harmonia ou na melodia, podo sentir entrar o ritmo polos pès e cruzar o corpo cara o cerebro, e até desfruto do fio musical do dentista ainda que se vaia com o vento e se esqueça no tempo. E como sempre, tudo isto depende-me do adverbio depende.

Creio, saber, que na inmensa maioria dos lares galegos nom se consome muita música. Por exemplo, em Noente Paradise donde eu moro, como em "qualquer lugar de paróquia" seguese ainda as leis da troca:a vizinha coloca-me a salada na porta e eu em agradecimento dou-lhe um Cd que nom tem onde escuitar. Porque nom tudo o mundo tem equipamento de música na casa.

Em Noente Paradise compram-se em colectividade utensílios importantes para a comunidade como o rolo de cimento para aplanar as terras, o alambique para a cana e o copo da fonte, mas o que precisam realmente é de um equipamento de música colectivo pendurado das sobreiras (que ainda hà) ainda que tenham radio-gravador nos carros.

Esta falta de educaçom muscal que fortalece a música como valor cultural é um tremendo lastre para toda a infraestructura futura e presente do pais.

Na Europa antiga, na civilizaçom dos nossos pais/mais gregos/as a dança e a música eram dous grandes pilares para o desenvolvimento humam, no Leste de Europa a música é considerada um valor patrimonial, no continente asiático e africano a figura do músico é respeitável e reconhecida pola comunidade... aqui, na Galiza num festival chamado "folk" (folque) roubárom umha furgoneta com pandeiros e pandeiretas duns músicos enquanto deixavam intacto todo o resto que havia na portabagagens. Entom, por qu e´que nom se cuida e protege aos artistas que tenhem o poder de transformaçom e da revoluçom deste novo século... se quigeram?

Na Galiza este respeito social recai fundamentalmente nas bandas de música (questom puramente de geraçons, "as cousas do sangue som muito sérias") e nas orquestras de pachanga. A música tradicional fica relegada á chamadas "gallegadas", cançons que amenizam jantares populares,actualmente rememoradas graças aos trabalhos de recolha ou algum programa televisivo, sem ainda conseguir umha consciência real que leve a que esta música ocupe naturalmente e diariamente os espaços que merece.

E por enquanto, o folque galego segue a fazer números de trapécio sempre sem rede por baixo. Por um lado é mais dependente das etiquetas comerciais que da qualidade ou conceito musical e por outro vive uma falta de atrevimento para chegar a convertê-lo numa forma de vida, isto leva-o á necessária defesa do trabalho como qualquer outro ofício que precisa agora máis que nunca de um algo grau de associacionismo e assim tambem vive alheio ao perigo que supom converter-se em funcionário/a da música ou músicos de fim de semana, é dizer, a cair no inmobilismo.

Se isto fôr pouco, como exitoso número funambulesco encontramo-nos com a falta de memória histórica e de conhecimento do passado musical do povo galego interpretativa e documentalmente. Deste jeito, as que nos dedicamos á música percebemos isto desde um prisma ás vezes inconscentemente profissional e ás vezes carente de objectividade e sem conhecimento em situ do que acontece em cada "comarca" do pais.

Tento lembrar quando algum dia desfrutava da música quimicamente, quando chegava a ser uma sesaçom que entrava no corpo sem licença. Pensando que esa sensaçom perduraria estudei num conservatório oficial, um lugar donde aprendes o que nom deves fazer e também a definiçom absoluta do termo música: "el arte de combinar el sonido con el ritmo". Máis tarde a música da Carme de Bizet vim que se definia de forma diferente: "a música é brillante e apaixoada, imprecionadora dos sentido com a sua franqueza e força".Daquela entendim que nom andava descaminhada quando gostava duma peça eu dum artista que me podia fazer rir, chorar ou subir a temperatura corporal.

Com o folque passei tempo a entender a estructura, as influências e cópias... desfrutando cada vez menos a nom ser que aparecesse uma letra correctamente escrita e surpreendente, uma voz limpa que trasmita, um/umha instrumentista preparado/a que fosse quem de olhar fixamente o público e companheiros/as de cenários, um artista de verdade que conciba ó público individualmente... entom pouco che importa o estilo nem o género musical, só interessa o processo de comunicaçom e como tal o triunfo da naturalidade e da sinceridade. Afinal tantas voltas para corfimar expectativas dos 14 anos quanto te subias por vez primeira a um cenário e tinhamos a sinceridade da adolescéncia mas sem consciência.


Voltar o índice de Artigos

 

SECCIÓNS



(c) 2001 Ravachol - proxecto desenrolado dentro de galego21.net
Contacto:
ravachol@galego21.com